Plantas Carnívoras

As plantas carnívoras recebem esse nome por sua capacidade de atrair e se alimentar de insetos de pequeno porte, anfíbios, aves, répteis e outros animais. Trata-se de uma planta que possui uma verdadeira engenharia em seu corpo para capturar e digerir esses animais. Por meio de suas folhas modificadas as plantas carnívoras criam armadilhas para as suas presas, em geral de pequeno porte, e então as capturam.

O corpo de uma planta carnívora possui enzimas digestivas especificas para deglutir as presas. A base alimentar dessas plantas tem como finalidade lhes conceder nitrogênio uma vez que em geral se estabelecem em solos muito pobres que não tem nitratos. Para sobreviver essas plantas usam os nutrientes advindos de suas presas e da luz do sol.

Descoberta das Plantas Carnívoras

A descoberta das plantas que receberam a alcunha de carnívoras se deu no ano de 1768 pelo botânico inglês John Ellis. Esse botânico ficou surpreso quando percebeu o mecanismo usado pela Dionaea muscipula para capturar os insetos para se alimentar. Passado um século Charles Darwin, um dos naturalistas mais reconhecidos do mundo, publicou a obra “Insectivorous Plants” que falava sobre essas plantas.

O grupo de plantas carnívoras foi recebendo novas espécies ao longo do tempo, para que uma planta seja considerada como carnívora ela deve: atrair presas, capturar as presas e digeri-las. Algumas plantas possuem algumas dessas características, mas não todas e por isso geram controvérsia quanto a estar ou não no grupo. Não existe consenso de quantas são as plantas carnívoras.

Seriam Insetívoras?

Outra controvérsia que existe diz respeito a se a forma correta de denominar essas plantas é insetívora ou carnívora haja vista que boa parte dos espécimes se alimenta de insetos. A classificação de insetívora não permanece porque algumas plantas de maior porte se alimentam de outros tipos de animais como anfíbios e répteis.

O Papel dos Animais na Alimentação das Plantas Carnívoras

Algumas pessoas acreditam que se essas plantas não tiverem acesso a animais para se alimentar acabarão morrendo, mas não é bem assim. Essas plantas são do tipo autotróficas, isto é, sobrevivem através da fotossíntese, basta que tenham luz e água. Os animais capturados servem como um reforço nutritivo para as plantas. A alimentação animal serve para deixar essas plantas mais fortes e bonitas.

Onde Plantas Carnívoras São Encontradas?

As plantas carnívoras podem ser encontradas na Austrália, sudeste da Ásia, África e nas Américas, tem preferência por regiões tropicais do planeta. Podem ser encontradas em algumas regiões da Europa. Algo curioso é que alguns espécimes já foram encontrados em regiões bastante inóspitas como o Alasca e a Escandinávia.

Conhecendo as Famílias de Plantas Carnívoras

As plantas carnívoras estão divididas em 4 famílias: Sarraceniaceae, Nepenthaceae, Lentibulariaceae, e Droseraceae. As diferenças de suas estruturas reprodutivas demonstram que essas plantas evoluíram de maneira paralela. O fato de que todas têm a capacidade de capturar e digerir pequenos animais parece ser mais uma questão de necessidade do que propriamente uma base comum de desenvolvimento.

Família Sarracenia

A característica principal das plantas carnívoras dessa família é a aparência de jarro. As folhas saem de um rizoma subterrâneo, como ficam unidas as folhas dão a aparência de jarro para a planta. São encontradas de maneira geral em locais de climas temperados como as Américas. No período de inverno essas plantas costumam permanecer em dormência.

Família Nepenthaceae

As plantas dessa família também se parecem com jarros, suas estruturas são continuações das folhas que passaram por modificações. Na parte superior dessa planta tem uma espécie de tampa, geralmente colorida, que atua como proteção estática e que também atua como armadilha. Dentro da planta tem um líquido em que ficam presos os animais capturados pela planta. Internamente as paredes da planta contam com pelos que evitam que os animais capturados possam escalar para sair.

Família Lentibularia

As plantas da família Lentibularia contam com estratégias ativas e passivas, trata-se de plantas do tipo aquáticas em que grande parte das folhas ficam submersas e tem modificações na forma de filamentos cheios de ramificações. Ao longo dos filamentos estão câmaras vazias que tem uma válvula que funciona como selo assim como pelos que funcionam como um tipo de adesivo que prendem os animais. A água no interior da planta leva o animal para o local em que será digerido.

Família Drosera

As folhas das plantas dessa família possuem tricomas glandulares que agem como se fossem tentáculos. Essas folhas secretam uma substância de aspecto pegajoso que é usada para atrair as presas. Os animais capturados acabam colados numa superfície adesiva onde morrem e então são deglutidos. A superfície das folhas dessas plantas absorvem os nutrientes.

Origem das Plantas Carnívoras

Não existe um consenso sobre qual a origem das plantas carnívoras, contudo, estima-se que seu aparecimento se deu há cerca de 60 milhões de anos. Sob o prisma evolutivo acredita-se que essas plantas se tornaram carnívoras devido as condições de vida. Num período de chuvas intensas possas se acumulavam em suas folhas de maneira que insetos pousavam nelas para beber água e acabavam se afogando. O corpo desses insetos era então decomposto oferecendo nutrientes para as plantas. A evolução dessas plantas tornou-as aptas a atrair, capturar e digerir os insetos.

Curiosidade: Belas e Assustadoras Plantas Carnívoras

Nephentes rajah

Essa planta tem origem na ilha de Bornéu e se caracteriza por se alimentar de insetos através de uma estrutura de jarro que fica anexa as folhas. São plantas de tamanho impressionante podendo chegar até a meio metro de altura. Seu visual é bastante impactante.

Drosophyllum lusitanicum

A única planta da família Drosophyllaceae tem como característica central a captura de insetos através de pelos em seu corpo. Sua origem se deu na região norte do Marrocos, Portugal e Espanha.

Utricularia

Nessa categoria estão inúmeras espécies de plantas carnívoras, algumas aquáticas que tem como base alimentar crustáceos. Podem ser plantas grandes atingindo muitos metros de profundidade. Tem a capacidade de capturar inúmeras presas de uma única vez.

Dionaea muscipula

A planta carnívora que demonstra que tamanho realmente não é documento, pois ela tem somente 10 centímetros de altura, sendo a menor da espécie, contudo, pode realizar movimentos o que lhe dá uma grande vantagem. Leva em torno de 0,3 segundos para capturar as suas presas. Sua base alimentar pode incluir sapos pequeninos, invertebrados e lagartixas.

Drosera spatulata

Diferentemente da planta listada acima essa é uma planta que tem movimentos lentos e que baseia a captura de suas presas por seus tentáculos. Para auxiliar nessa captura a planta libera um líquido pegajoso que é sintetizado pelos tentáculos.

Darlingtonia californica

A captura dos insetos por essa planta é feita através de um buraco, os animais entram no mesmo e então ficam presos numa secreção de aspecto viscoso que os imobiliza. Essa planta é conhecida popularmente como planta-cobra.

Reprodução das Plantas Carnívoras

A reprodução das plantas carnívoras é feita da mesma forma que boa parte das plantas, isto é, através de sementes ou de polinização realizada por animais como abelhas. Também é possível que as plantas carnívoras se reproduzam com o método in-aqua em que as sementes são cultivadas num copo com água destilada. Outro método possível é o leaf-cutting que consiste em cortar um pedaço da planta para que ela dê origem a outra.

Como Cultivar Plantas Carnívoras

O Vaso

Os vasos de plástico são boas opções para cultivar plantas carnívoras, contudo, prefira os brancos, pois os escuros esquentam muito com a luz do sol. Vasos de barro podem deixar o substrato muito seco. O xaxim até pode ser interessante, mas observe que ele poderá secar o substrato com mais rapidez.

Luz

Essas plantas necessitam de muita luz, no caso das plantas que tem tonalidade avermelhada e elas vão ficando desbotadas é sinal de que a luz não está sendo suficiente. Contudo, é fundamental que você jamais deixe uma planta carnívora sob o sol forte.

Água

Muito importante para a sobrevivência dessas plantas não pode ser qualquer água, pois se ela tiver nutrientes pode acabar atuando como adubo. Sendo assim a recomendação é que você use água da chuva ou então água destilada para regar a sua planta. Água da torneira também não é indicada porque possui cloro que pode elevar o pH do substrato da sua planta carnívora.

Substrato Pobre

A característica principal do substrato para o cultivo de plantas carnívoras é que ele seja pobre de nutrientes. Não se deve adubar plantas carnívoras, pois isso pode acabar matando-as. Boas opções de substratos para essas plantas são areia, pó de xaxim e musgo.

Replantio de Plantas Carnívoras

Quando essas plantas ficam muito grandes é necessário fazer o seu replantio. Permanecer num recipiente pequeno para elas pode acabar matando a planta. Ao observar que o substrato está em processo de decomposição é necessário fazer o replantio. As raízes das plantas são bastante delicadas exigindo cuidado para fazer o transporte de um recipiente pro outro. O momento do ano mais indicado para fazer o replantio é o início da primavera.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Curiosidades
1.538

Função: Programação e SEO
Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)
Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG)
Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Relacionados


Artigos populares

Comentários

  • eu axei interesante essa materia

    juliana santos 25 de novembro de 2013 16:24 Responder
  • EU ACHEI INTERESSANTE MAIS EU ACHO QUE O NOME DA MATÉRIA ESTA UM POUCO DISTANTE DO QUE REALMENTE O ASSUNTO ESTA RETRATANDO POIS O NOME DA MATÉRIA É PLANTAS CARNÍVORAS E SÓ ACHO QUE VCS DEVERIAM RELATAR UM POUCO MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO COMO POR EXEMPLO PORIA FALAR SORE A DIGESTÃO DESSAS PLANTAS E ETC…

    BEATRIZ 12 de setembro de 2016 0:21 Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *