Tudo Sobre o Alcorão: O Livro Sagrado dos Muçulmanos

O Corão ou Alcorão (القرآن) representa escritura sagrada do Islã, de acordo com a fé dos muçulmanos, a literal revelação de Deus (em árabe: Allah) ao Profeta Maomé, mediada por “inspiração verbal” do anjo Gabriel. Ela data da primeira metade do sétimo século depois de Cristo. Considerado a obra mais antiga sobrevivente do árabe em prosa. Ele oferece para os muçulmanos a palavra de Deus.

A questão de saber se o Alcorão é criado ou inventado na teologia islâmica muitas vezes leva a discussões acaloradas, que geram inclusive guerras com mortes entre povos. Conforme afirma o Alcorão os cinco profetas sagrados foram: Noé, Abraão, Moisés, Jesus e Maomé. O Alcorão foi feito após a revelação de Meca e Medina para Maomé. As suras consistem em número diferente de versos em 6.326 versículos do Alcorão. Fonte primária da lei islâmica, a Sharia.

Revelação do Alcorão

Chamada de profecia de Maomé. De acordo com a fé islâmica, o Alcorão representa cópia do existente em Deus (Allah). Foi o profeta Maomé na “Noite do Poder” em 610 DC, escrito por Deus em seu coração. Como resultado o Alcorão foi levado pelo Arcanjo Gabriel.

De maneira em geral se acredita que Maomé não sabia ler ou escrever, por que os muçulmanos acreditam que o anjo Gabriel lhe deu o comando para recitar o que foi escrito no coração. A tradição islâmica, de acordo com Mohammed, veio após a primeira revelação do arcanjo Gabriel na caverna e construído em todos os sentidos da visão antes dele.

Segundo a tradição, Abi Talib foi testemunha ocular da primeira revelação. Nos 22 anos de Mohammed o Alcorão inteiro foi revelado, com muitos versículos relacionados com os eventos atuais da época. Outros versos falam de profetas (Adão, Abraão, Noé, José, Moisés, entre outros). Algumas versões incluem disposições e crenças gerais. Nos Estados Unidos, o Alcorão aborda todas as pessoas, inclusive não crentes e de outras religiões.

Gênese do Texto

Antes da morte do profeta Maomé a petição foi concluída. Após consulta com o Alcorão, por via oral, surgiu a morte do profeta Maomé, no ano (632 DC), momento em que o califa Abu Bakr protegeu o conjunto de originais antes de ser perdido ou confundido com outros ditos do profeta Maomé.

O terceiro califa, Uthman Ibn Affan fez os primeiros livros do Alcorão com o dialeto do profeta Maomé, que mais tarde se tornou padrão no mundo árabe, destruir e deixar um Corão. Isso exigia pelo menos dois homens de testemunha em cada verso que eles tinham ouvido falar de maneira direta da boca do profeta Maomé. Seis versículos do Alcorão são testemunhados por uma pessoa, ou seja, Zayd, um ex-funcionário do profeta Maomé.

Foi testemunhado desta forma que os versículos do Alcorão foram formados e compostos na atualidade. Nessa altura, a escrita árabe não tinha vogal ou pontos diacríticos. A escrita foi usada de maneira principal como auxiliar de memória. Pelo menos cinco cópias foram enviadas de Medina para Meca às regiões de Kufa, Basra e Damasco.

Tradução do Corão

A tradução real do Corão na teologia islâmica representa tarefa impossível, porque cada tradução também inclui interpretação. Portanto, o estudo do Corão no original em árabe é recomendado. A primeira tradução em alemão foi feita em Nuremberg, pelo pastor Salomão Schweigger, em 1616.  Ele traduziu o primeiro texto em italiano que adoptou do trabalho de Andrea Arrivabene, feito em 1547.

O orientalista Friedrich Rückert transferiu na primeira metade do século XIX, grande parte do Alcorão em linguagem ligada ao alemão. A tradução de Rückerts tem som do árabe do Alcorão no jogo alemão, mas possui passagens omitidas ao exclusivo critério. A tradução no comércio como a confiança filológica está em contraste com o original para as pessoas entenderem passagens com as opções adicionais de compra ou o sentido literal.

Há também as traduções do árabe cristão feitas pelo professor de teologia Adel Theodor Khoury (preso pela tradição, ganhou poio do mundo islâmico). A tradução de Henning Murad Wilfried Hofmann foi revista e anotada. A revisão é apreciada por muitos de seus companheiros judeus do mundo da língua alemã, ao lado de estudos islâmicos em parte criticados de maneira forte. Tradução contemporânea traz texto em árabe. Cada verso de seleção importante, traduzido em comentários alemão era do grupo muçulmano alemão liderado por Fátima Grimm, intitulado: O Significado do Alcorão Publicado.

Edição em língua alemã contemporânea também é voltada para crianças e adolescentes, lançado em 2008 por estudiosos islâmicos: Lamya Kaddor e Rabeya Müller. A nova tradução é de Lamya Kaddor “respeito pelo livro sagrado dos muçulmanos se unem com acesso abrangente”.

Arranjo de Suras

Nome e número de versos são impressos no título das suras. Isto é seguido (exceto em Sura9) por cada abertura na fórmula: “Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso”, chamado Basmala. O arranjo atual das suras na edição impressa da Universidade do Cairo de 1923/1924 é tradicional, mas não parece comprovado de maneira cientifica sobre a equipe editorial do terceiro califa Uthman Ibn Affan.

No entanto, a literatura árabe-islâmica traz registros bibliográficos no final de 10 Arranjos diferentes dos códices, uma circunstância que pode parecer uniforme, indo de volta para a sequência profetizada por Muhammad Suren por muitos críticos como questionável. As descobertas de manuscritos na Grande Mesquita de Sanaa sugerem que desde o primeiro século muçulmano (século 07 DC), diferenças significativas na ortografia, nas interpretações e arranjos dos capítulos.

Os muçulmanos acreditam que o arranjo das suratas foi organizado pelo profeta Maomé. Na oração é indesejável para recitar mais tarde antes da certeza antes. Em contraste com o Antigo Testamento e o Novo Testamento da Bíblia, que consistem principalmente de história cronológica, há tal ordem quer no âmbito das suras ainda em seu arranjo.

O Alcorão foi a base para vários ramos da ciência árabe. A linguagem foi influenciada de maneira forte com desenvolvimento da gramática árabe, além dos fragmentos sobreviventes do poeta pré-islâmico, o Alcorão em árabe serve como um guia para a precisão das expressões linguísticas.

Livros, muitas vezes preenchem dezenas de comentários de famosos mulçumanos que emergiram a partir do século (século XIII), os mais famosos são: Abd AL-Al-Razzaaq San’ânî, Al-Baghawi, Ibn Abi Hatim, Tabari, Qurtubi, Nur, Ibn Kathir, entre outros.

Artigo escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Religião
1.538

Função: Programação e SEO
Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)
Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG)
Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *