Museu da Língua Portuguesa

O dia 20 de março de 2006 foi um dia histórico, pois foi a data da inauguração do Museu da Língua Portuguesa também chamado de Estação Luz da Nossa Língua. Um museu com uma proposta diferenciada, celebrar um patrimônio imaterial – a língua portuguesa – por meio de estruturas tecnológicas e interativas. O edifício do museu foi atingido por um incêndio no dia 21 de dezembro de 2015 e a partir de então se encontra em processo de reconstrução.

Museu da Língua Portuguesa e a Estação da Luz

O local escolhido para sediar o Museu da Língua Portuguesa foi a Estação da Luz em São Paulo. Essa estação, que está situada bem no coração da cidade com maior quantidade de falantes de português do planeta, foi o cenário por onde passaram milhares de imigrantes ao longo do último século.

Atualmente, essa estação ainda é uma das mais movimentadas de São Paulo e guarda uma das estruturas arquitetônicas mais bonitas dentre as estações. O edifício do museu faz parte da estrutura da estação e durante o incêndio de 2015 teve dois andares da sua estrutura destruídos precisando então passar por um processo de reconstrução. Nada do seu acervo se perdeu nesse trágico acontecimento porque o acervo é de base digital.

Quase uma Década de Pé

Da sua inauguração em 2006 até o incêndio de 2015 foram quase dez anos de atividade, nesse período o museu recebeu 3,9 milhões de visitantes, abrigou 30 exposições temporárias e foi agraciado com 12 prêmios em reconhecimento a sua relevância e qualidade.

Quem visitava o Museu da Língua Portuguesa podia viver uma experiência de conexão com esse idioma que mesmo sendo tão complexo é tão belo. Foram privilegiadas vertentes que demonstram a conexão das pessoas com o idioma bem como a sua história e os contornos que passa a assumir no dia a dia de diferentes regiões.

Viagem Sensorial

Alguns visitantes podiam ficar confusos quando adentravam o Museu da Língua Portuguesa, pois esse era um espaço dedicado a reverenciar algo impalpável. Exatamente pelo fato de que a língua não pode ser apresentada de maneira física foram desenvolvidos suportes interativos em que era possível contemplar o acervo. Os visitantes eram conduzidos para uma viagem sensorial e ao mesmo tempo subjetiva em busca de compreender a dinâmica do idioma português.

Dentre as plataformas utilizadas para difundir as principais características da língua portuguesa estavam filmes, módulos interativos assim como apresentações de leituras. Para que esse museu se tornasse realidade precisou contar com uma equipe de caráter multidisciplinar com destaque para museólogos, sociólogos, artistas e estudiosos da língua portuguesa.

Árvore da Língua

Uma das estruturas mais interessantes do Museu da Língua Portuguesa certamente é a Árvore da Língua que possui três andares com a adição de folhas em que se formam desenhos de objetos. As raízes dessa árvore são formadas por palavras que ajudaram a dar origem ao idioma português. Enquanto usava o elevador para ter acesso aos demais andares o visitante podia visualizar a árvore da língua exposta em paredes transparentes.

Cultura Relacionada à Língua Portuguesa

Durante os seus quase dez anos de portas abertas, o Museu da Língua Portuguesa, recebeu exposições, debates, palestras e performances de artistas. Grandes nomes da literatura brasileira foram homenageados nesse museu como Machado de Assis, Oswald de Andrade, Guimarães Rosa, Rubem Braga, Cora Coralina e até o compositor Cazuza. Por ser um museu da língua portuguesa também homenageou o poeta português Fernando Pessoa.

Reinauguração do Museu da Língua Portuguesa

O processo de reconstrução do museu não é simples e por isso tem previsão de término apenas para junho de 2019. A reconstrução foi dividida em etapas tendo concluídos processos como o projeto de restauração das esquadrias e da fachada e projeto de restauração da cobertura.

Ainda estão pendentes a obra de restauração das esquadrias e fachada, projeto arquitetônico de adequação dos ambientes internos, projeto curatorial e museografia, obra para restauração da cobertura, obra de adaptação interna e conteúdo e implantação da museografia.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Exposição
1.538

Função: Programação e SEO Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG) Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *