A Filosofia de Platão

A filosofia, grosseiramente falando, é a maneira que cada um tem de pensar sobre a vida.

Há muitos anos, as inúmeras formas de viver assombram os homens e os fazem refletir sobre elas.

Platão

Platão

Na Grécia Antiga, por volta dos anos 400 a.C., Platão (discípulo de Sócrates) já  meditava sobre a filosofia e outros temas como política, ética, teorias do conhecimento e metafísica. Não se sabe ao certo se Platão era mesmo seu nome, acredita-se que pode ser apenas um codinome, devido à sua compleição física.

Além de filósofo, Platão também era matemático e foi fundador da Academia, em Atenas, que tornou-se a primeira universidade do ocidente. Ele se dedicou a escrever diversos estudos, tidos como Diálogos em número de trinta e cinco e mais treze cartas.

Pensamentos Filosoficos

Pensamentos Filosoficos

Os escritos de Platão sobre a filosofia, nos ensinam que lidamos com duas realidades, a sensível e a inteligível. A sensível está relacionada a todas as coisas que afetam nossos sentidos e são dependentes, modificáveis. A inteligível não muda; as duas formam as Teorias das formas ou ideias.

De acordo com o filósofo, o mundo que percebemos através dos sentidos, dos toques, cheiros, é uma reprodução do mundo da imaginação, das ideias. Platão sempre buscava a verdade nas coisas, algo que sempre fosse além da aparência, que viesse de seu próprio interior. E o ser humano teria duas divisões: corpo e alma. O primeiro, mutável na aparência, mas o segundo não mudaria nunca.

Platão Filosofando

Platão Filosofando

A alma, segundo Platão, se divide em três: a Racional, composta pela cabeça, que controla as demais partes; a Irascível, composta pelo tórax e está relacionada aos sentimentos, e a Concupiscente, composta pelo baixo-ventre, ligada ao desejo da carne, libido, sexo. Ele se valia da ideia que a alma, depois da morte,  reencarnava em outro indivíduo, mas as iluminadas não, estariam sempre na presença dos deuses.

O mundo que Platão contemplava era repleto de dificuldades e que diferem das que temos hoje, mas nem por isso ele deixava de se preocupar com as pessoas e com a política que era empregada naquela época e escreveu: “Os males não cessarão para os humanos antes que a raça dos puros e autênticos filósofos chegue ao poder ou antes que os chefes das cidades, por uma divina graça ponham-se a filosofar verdadeiramente.” (Platão, Carta Sétima, 326b).

Ainda sobre seus pensamentos, ele confiava que a alma do governante deveria possuir três virtudes: Sabedoria (cabeça), para guiar o Estado; Coragem (peito), para defender o Estado e Temperança (baixo-ventre). Todos juntos formariam o líder e Estado perfeitos.

Caso Platão vivesse hoje, perceberia que as dificuldades com o poder remontam a história do homem, e que filósofos puros, não existem na política. Quem sabe se existissem, os lucros com os impostos seriam melhor aplicados e a população não teria tanto o que reclamar.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Filosofia
1.538

Função: Programação e SEO
Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)
Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG)
Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *