Divisão Geoeconômica do Brasil

De acordo com a divisão aceitável por grande parte dos especialistas em geografia e econômica no Brasil o país consiste em três tipos de divisões geoeconômicas: Amazônia, Centro-Sul e Nordeste.

Divisão Geoeconômica do Brasil na Amazônia

Em termos práticos a região está na terceira posição no que tange a gerar renda ao PIB nacional. A economia se baseia de forma prática em extrativismo que se divide entre setores relacionados à agropecuária. Não se pode ignorar o fato de que existe presença de multinacional na região que fornecem empregos à população local. Entre os principais empreendimentos vale destacar a presença da Petrobras que faz trabalho não apenas em extrair petróleo como também gás natural.

Do lado de grandes extensões vegetais existe a presença de centros urbanos desenvolvidos com pouca presença de regiões ricas e aumento dos subúrbios de Belém até Marabá. Ao levar em conta o número de aproximados 25 milhões de habitantes da contabilização oficial se pode afirmar com clareza que representa região brasileira com menor número de concentração humana. Belém e Manaus são consideradas cidades com maior valor de população em termos quantitativos.

O grande destaque da região fica por conta da vegetação ao levar na consideração a presença da Floresta Amazônica que consiste no maior grupo vegetativo do tipo tropical existente no globo terrestre, popularmente e de forma internacional conhecida como pulmão do mundo. Vale ressaltar também o título de maior conjunto de hidrografia do mundo, o que pode ser visto de forma positiva ao levar em conta que o mundo sofre com carência de água potável e métodos para gerar energia.

O governo federal tem planos para dominar os rios amazônicos com a presença de hidrelétrica, fato visto de forma positiva entre os membros que apoiam o desenvolvimento e sob a ótica negativa para ativistas que lutam em favor de maior equilíbrio ecológico contra as grandes áreas vegetativas que devem ser engolidas com a ação dos rios por causa da instalação de estruturas do gênero.

A região ocupa cerca de quarenta por cento do Brasil. Vale ressaltar que por causa da presença de copas existe dificuldade às luzes solares entrarem de forma abundante e por consequência prejudica em termos de vegetação rasteira que serve de alimento para animais. Mesmo com os problemas de degradação ambiental é possível afirmar que na Amazônia existe maior número de fauna do que população humana.

Divisão Geoeconomia do Brasil no Centro-Sul

Entre as três divisões geoeconômicas principais do Brasil o eixo Centro-Sul consiste no principal contribuinte ao PIB e geração de empregos formais em terras nacionais, com valor de 110 milhões de habitantes no país que tem quase 200 milhões de cidadãos de acordo com a contabilidade oficial do IBGE.

Em termos de economia também tem a maior importância nacional. São Paulo tem o título de ser a capital do país e conta com um evento por minuto, além de deter da BOVESPA que representa a principal Bolsa de Valores do país e terceira colocada no globo terrestre em termos de valores mercadológicos. A cidade também é conhecida por ser o centro de gastronomia mundial, com múltiplas opções de restaurantes.

Outro destaque na região fica por conta do Rio de Janeiro, local predileto dos turistas estrangeiros que seguem ao Brasil. Além de ter economia desenvolvida em múltiplos setores, também represente centro de petróleo no qual a Petrobrás se faz presente junto com empresários do setor, como Eike Batista, por exemplo.

Em termos de diversidade econômica a região tem destaque não apenas entre as divisões geoeconômicas do país como também da América Latina. Além da tecnologia e ciência em ascensão, também existe destaque no setor agropecuário com forte produção a sustentar demanda nação e internacional, industrial, comercial e urbano.

Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo são as três regiões mais populosas e com maior presença de indústrias no Brasil. Não se pode ignorar o fato de existir desenvolvimento destacável também em outras regiões que se encontram na divisão geoeconômica do Brasil: Curitiba e Porto Alegre. Em Brasília se encontra o centro político e base da máquina pública nacional.

Existem zonas municipais com características de metrópole não apenas por causa da taxa populacional e crescimento vegetativo em ascensão como também em virtude da presença de indústria, caso de Campinas, Santos, Uberlândia e Vale do Paraíba. O Estado de Minas gerais consiste em local no qual a pecuária representa atividade econômica dominante junto com Rio Grande do Sul.

Como o eixo centro-sul do Brasil tem maior industrialização, de forma frequente acontecem migração do eixo amazonense e nordestino para o local ao levar em conta as maiores ofertas de trabalho, embora o custo de vida seja também maior. O lugar também tem destaque por causa da vegetação, de forma principal em virtude da presença de Mata Atlântica que nos dias atuais possui menos de dez por cento do que existia no início da época de colonização por parte dos portugueses.

Divisão Geoeconômica do Brasil no Nordeste

Em terras nordestinas existem aproximados cinquenta bilhões de habitantes. Entre o ano de 2002 e 2012 aconteceu aumento de 20% em termos de classe média, visto que o valor pode chegar à casa dos 50% por cento até 2018. A economia do local está em ascensão por causa do aumento de poder do consumo, o que de forma prática atrai a presença de matrizes das multinacionais. Quase sessenta por cento da população está concentrada em regiões urbanas.

O custo de vida é baixo ao levar em conta os baixos salários e pequena geração de emprego forma que existe no Nordeste. Críticos indicam que a problemática permanece por causa do problema social que existe no local de forma principal por carência em investimento na educação. O coronelismo representa cultura que assombra o Brasil nordestino. De qualquer maneira, representa divisão geoeconômica mais promissora do país. Repleto de praias que atrais grande demanda de turistas.

A vegetação varia de acordo com as condições climáticas. Porém, de forma prática o calor se faz presente em grande parte do ano. Vegetação do tipo cerrado, semiárido e caatinga são tradicionais do Nordeste. Existe a presença de maiores períodos de seca do que estações chuvosas.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Geral

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *