Cem Anos de Solidão – Gabriel García Márquez

A obra “Cem Anos de Solidão” do escritor colombiano Gabriel García Márquez teve sua primeira edição lançada em Buenos Aires no ano de 1967 e é considerada uma das obras mais importantes da literatura Latino-Americana. A tiragem inicial foi de 8000 mil exemplares, porém já foram vendidos em torno de 30 milhões de exemplares traduzidos em 35 idiomas.

Em 1982 a obra ganhou o prêmio Nobel da Literatura e durante o VI Congresso Internacional de Língua Espanhola, foi considerada a segunda obra mais importante da literatura hispânica, ficando atrás apenas de Dom Quixote.

Admiradores da obra dizem que muitos são os detalhes e devido a isso, existe uma necessidade grande de se ler acompanhado de um bloco de notas, afinal de contas a árvore genealógica do livro vai além do imaginável, toda uma história é traçada.

Embora a quantidade de personagens seja tamanha que a necessidade de um auxílio de bloco de notas seja essencial, a obra vai muito além disso. A história é entrelaçada e forma um conjunto absurdamente interessante.

A obra se passa em Macondo, uma cidade imaginária que é fundada pelo casal José Arcadio Buendía e Úrsula Iguaran.

José e Úrsula são primos que se apaixonam e se casam, porém o mito de que casais com parentescos poderiam gerar filhos com rabos de porcos levanta questões engraçadas e trágicas durante a história, sendo em último caso o causador da mudança de cidade.

Macondo é a cidade na qual José e Úrsula são fundadores, sem muitas explicações para o nome, ao sair da cidade natal, José tem o sonho de encontrar uma cidade com paredes de vidro e de nome “Macondo”.

O casal tem três filhos, sendo eles José Arcadio, Aureliano Buendía e Renata Buendía, chegando após Rebeca.

Em Macondo, não habita apenas a família de José, mas sim outras famílias que o acompanharam em sua viagem. Porém, ele é o líder comunitário e responsável pela divisão de recursos e mediações de conflitos.

Não ficando apenas nisso, a cidade é achada por um grupo de ciganos que traz diversas novidades ao povo. Dentre eles encontra-se Malquíades, um sábio que morre e ressuscita por diversas vezes durante a obra.

Com tudo isso, vem sempre a pergunta de porque uma árvore genealógica. A vastidão de personagens e riqueza de conteúdo se dá devido às gerações que surgem da família Buendía. Os encontros e desencontros. Dentre tantos detalhes., diversos mistérios e elementos são surgidos oferecendo cada vez mais entrosamento com a obra.

Como o próprio nome diz, o tema principal do livro é a solidão. A obra mostra que todos os personagens estão ligados diretamente a solidão, convivendo assim por diversas gerações.

O livro, apesar de apresentar diversos personagens, é contado em terceira pessoa, trazendo um cenário único e ritmo contínuo, facilitando a ligação do leitor com a história.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Literatura
1.538

Função: Programação e SEO Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG) Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *