Museu de Imagem e Som

No nosso Brasil, há uma infinidade de museus, cada um dedicado para um tema diferente. Há o Museu da Língua Portuguesa, que é inteiramente exclusivo a obras de autores brasileiros e outras coisas relacionadas à língua oficial, a língua portuguesa.

No caso do Museu de Imagem e Som, o mesmo foca a preservação das manifestações artísticas, tanto as artes que envolvam imagens e também sons, nada mais do que um verdadeiro baú que contem um pouco da história fonográfica e fotográfica do Brasil.

Nesse artigo, você vai conhecer um pouco mais sobre esse espaço, como a sua fundação, e outras informações bastante relevantes que, com certeza, irão enriquecer você de informação. Vamos lá?

O Museu de Imagem e Som

Para falarmos do Museu de Imagem e Som (De São Paulo) devemos dar um pulo no passado, mais precisamente, no ano de 1965. Essa data remete á fundação do Museu de Imagem e Som do Rio de Janeiro, sendo considerada a pioneira nesse sentido, por resguardar as principais memórias audiovisuais que o país já teve. Esse espaço foi concebido na administração de Carlos Lacerda, que também fazia referência ao IV centenário que a cidade maravilhosa comemorava.

Depois da inauguração do Museu de Imagem e Som do Rio de Janeiro, vários outros governantes tiveram a ideia de criar vários MIS (Sigla de Museu de Imagem e Som), só que em núcleos regionais.

O MIS carioca era bastante famoso, isso porque várias entrevistas com celebridades da época eram concedidas para a instituição, fato esse que deixava o MIS conhecido no Brasil. A ideia da implantação de mais Museus de Imagem e Som no Brasil surtiu efeito, tendo, até agora, cerca de 20 unidades destas espalhadas pelo país.

E, a criação do Museu de Imagem e Som em São Paulo foi de Roberto Costa de Abreu Sodré, na época, governador do estado, que ficou maravilhado com a possibilidade de a nova unidade do MIS pudesse contar com entrevistas de celebridades daquela época, e, com isso, a publicidade em favor do governo seria bastante grande.

Os primeiros passos para a construção do Museu de Imagem e Som em São Paulo começaram dois anos depois da inauguração do MIS no Rio de Janeiro, ou seja, em 1967, e, três anos depois de muita conversa e trabalho, finalmente é inaugurado o Museu de Imagem e Som em São Paulo, no dia 29 de maio do ano de 1970.

Mas as divergências não paravam. Enquanto alguns defendiam que o Museu deveria aguardar registros de áudio de celebridades, outros queriam que ele devesse conter, majoritariamente, registros de imagens pelas grandes mudanças que São Paulo passara por todos os anos passados e também pelos que estavam por vir.

Não pense que o MIS ficou fixado em um local. Durante mais ou menos 5 anos, ele percorreu lugares diferentes na cidade, como o Palácio dos Campos Elísios, que servira como sede do governo do estado de São Paulo. E, finalmente, em fevereiro de 1975, a sede definitiva do Museu de Imagem e Som foi anunciada. 

Acervo Do MIS

O Museu de Imagem e Som de São Paulo tem um rico acervo, tanto de imagens, quando de registros de áudio, tendo mais de 200 mil arquivos distribuídos em dispositivos como DVDs, CDs, fitas VHS, entre outros.

As fotografias que fazem parte do acervo do MIS são, em sua maioria, produzidos pelo próprio local ou também, sendo grande fonte, as doações feitas por pessoas tanto conhecidas como anônimas, com muitas obras de vários fotógrafos que mostram seu talento nas fotografias que, geralmente, retratam a cidade de São Paulo.

Já na parte dos vídeos, o MIS paulista conta com mais de 5 mil obras, dividas em vários setores como ficção científica, videoclipes, documentários e outros, que começaram a ser produzidos a partir dos anos de 1970. Nessa parte, contendo obras brasileiras, há também vídeos internacionais, produzidos em países como França, Japão, Estados Unidos e Argentina. 

No núcleo de cinema, já passam de 13 mil arquivos que estão disponibilizados, sendo várias doações, produções brasileiras, curtas, longas e médias metragens, entre muitos outros arquivos que são uma verdadeira riqueza cultural.

Como já é de conhecimento, o MIS também foi construído com o propósito de se arrecadar depoimentos e entrevistas com celebridades. Estão contabilizados mais de 3 mil registros de áudio contendo esses depoimentos e entrevistas, retratando personalidades como o astro do futebol Pelé, a artista Tarsila do Amaral, Tom Jobim, Sérgio Buarque de Holanda, entre muitos outros.

Finalmente, a ala mais recente do museu, que é a de Artes Gráficas, foi inaugurada em 1990, e reúne vários registros gráficos, como embalagens, capas de livros, selos, folhetos e outros que demonstram um pouco da arte em pequenas imagens. Há, também, a ala onde diversos equipamentos que originam as obras de arte, seja ela visuais ou sonoras. São vários, como aparelhos de TV, câmeras, entre outros. 

O Festival de Vídeo Brasil

No ano de 1983, pouco mais de 13 anos após a fundação do MIS em São Paulo, o mesmo sediou o Festival de Vídeo Brasil, sendo que o diretor José Celso Martinez Correa foi o premiado depois de apresentar um documentário que relacionava as artes plásticas com e o teatro.

O Museu de Imagem e Som do Rio de Janeiro

Vamos agora falar um pouco sobre o Museu de Imagem e Som que está sediado na cidade do Rio de Janeiro. Fundado, como já é de conhecimento, no ano de 1965, o MIS carioca está funcionando em uma construção que foi feita no século XX, e que foi arquitetado por Sylvio Rebecchi. Mas, devido á idade da construção e outros fatores, o Museu irá mudar para outro prédio, planejado exclusivamente para as instalações do MIS. Previsto para ser entregue no ande 2014, o novo MIS será em Copacabana, e, se tornará mais um cartão postal para a cidade do Rio de Janeiro, e também um ponto de referência e encontro de várias pessoas, sendo elas brasileiras ou estrangeiras.

Apresentamos, aí, um pouco mais sobre o Museu de Imagem e Som do Rio de Janeiro e São Paulo. 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Curiosidades
1.538

Função: Programação e SEO Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG) Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *