Mia Couto: Carreira Artística

Couto nasceu na cidade de Beira, segunda maior cidade de Moçambique, onde ele também foi criado e educado. Filho de portugueses emigrantes que se mudaram para a ex-colônia em 1950. Na idade de quatorze anos, um pouco de sua poesia foi publicada em um jornal local, Notícias da Beira.

Três anos depois, em 1971, ele se mudou para a capital Lourenço Marques (hoje Maputo) e começou a estudar medicina na Universidade de Lourenço Marques. Durante este tempo, a guerrilha e o movimento político anticolonial FRELIMO estava lutando para derrubar o regime colonial Português em Moçambique.

Em abril de 1974, após a Revolução dos Cravos, em Lisboa, e a derrubada do Estado Novo regime, Moçambique estava prestes a se tornar uma república independente. No mesmo ano a FRELIMO, Couto pediu para suspender seus estudos por um ano para trabalhar como jornalista para a Tribuna até setembro de 1975 e, em seguida, como o diretor da Agência de Informação de Moçambique (AIM).

Mais tarde ele correu a revista o Tempo até 1981. O livro de poemas, Raiz de Orvalho, foi publicado em 1983. Inclui textos voltados contra a dominação de propaganda marxista militante. Couto continuou a trabalhar para o jornal Notícias até 1985, quando renunciou para terminar o seu curso de estudo em biologia.

Obra Literária

Não apenas é considerado como um dos escritores mais importantes de Moçambique, como muitos de seus trabalhos foram publicados em mais de 20 países e em vários idiomas, incluindo português, inglês, francês, alemão, italiano, sérvio e catalão. Em muitos de seus textos ele se compromete a recriar o idioma Português, infundindo com vocabulário regional e estruturas de Moçambique, produzindo, assim, um novo modelo para a narrativa africana.

Estilisticamente a sua escrita é influenciada pelo realismo mágico, um estilo popular nas modernas literaturas latino-americanas, e seu uso da linguagem é reminiscência do escritor brasileiro Guimarães Rosa e tem influência por baiano Jorge Amado. 

Ele tem sido observado para a criação de provérbios em sua ficção, assim como charadas, lendas, metáforas, dando a sua obra uma dimensão poética. Um júri internacional na Feira Internacional do Livro do Zimbabwe nomeou seu primeiro romance, Terra Sonâmbula (Terra Sonâmbula), como um dos 12 melhores livros africanos do século XX.

Em 2007 ele tornou-se o primeiro autor Africano para ganhar o prestigiado prêmio literário da União Latina, concedido de modo anual na Itália desde 1990. Mia Couto se tornou o quarto escritor do idioma português para levar para casa o prêmio de prestígio, tendo competido contra os autores de Portugal, França, Colômbia, Espanha, Itália e Senegal. 

Criticado Política Externa dos EUA

Quando os Estados Unidos lançaram uma guerra contra o Iraque em março de 2003, Couto escreveu uma carta aberta ao presidente dos EUA, George W. Bush, que apareceu no semanário moçambicano Savana, e foi reeditado em várias outras publicações ao redor do mundo, inclusive no Africano Review of Books Web site. “Eu sou um escritor de uma nação pobre, um país que já foi da sua lista negra”, afirmou Couto.

A guerra e suas consequências continuam a fornecer os temas de ficção de Couto. Em 2004, outra de suas obras, O Último Voo do Flamingo, apareceu em tradução Inglês. O romance ganhou o prêmio Mario Antonio da Fundação Calouste Gulbenkian, e seu título, Couto disse à plateia ter foi inspirado por um passeio que ele tomou em uma praia no ano de 1998.

Ele encontrou uma pena e os pescadores locais disseram que era de um dos flamingos que não havia chegado naquele ano. Como ele lembrou, “uma inexplicável angústia me abordou – porque as aves nunca mais voltaram de novo?”. 

Trabalhos de Mia Couto

Foi à estreia de romances de Couto. Em 1992, o trabalho é definido durante a guerra civil moçambicana, que dizimou o país antes do cessar-fogo. Em essencial uma série de histórias curtas. No final, traz dois enredos juntos. Em uma trama, um homem velho e o jovem encontra abrigo em um ônibus abandonado na zona rural devastada pela guerra, onde o menino encontra um notebook que conta a história de Kindzu, um homem que tentou encontrar o filho de seu amante, Gaspar. No final, Kindzu vê Muidinga e acredita que ele seja o Gaspar.

Um dos temas constantes na representação do pós-independência de Moçambique era levantado por Couto, sobre o processo caótico do país quinze primeiros anos de independência produzir uma nação de órfãos em busca de uma plenitude integral. Os moçambicanos olham para a utopia do ideal que estava vivo no momento da independência, mas se perdeu sob o peso da guerra civil, do interesse e tradições intemporais.

Terceira coleção de Couto de contos, Estórias Abensonhadas, foi seguido por uma incursão no gênero romance policial em 1996, A Varanda do Frangipani. A árvore em questão está situada fora de um forte abandonado no Oceano Índico que já abrigou escravos e marfim para o transporte no exterior durante muito tempo na era colonial de Moçambique. 

Sua história terrível assombra os moradores e funcionários da casa de repouso para o qual é usado agora. Um ex-oficial militar, Ermelindo Mucanga, corre o lar com a crueldade que uma vez implantou na guerra civil, e quando ele é encontrado morto várias pessoas surgem frente para assumir a responsabilidade. A tarefa de determinar o verdadeiro culpado cai para o policial que chega lá para resolver o caso.

Em 2002, Couto lançou a novela “Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra”, mais uma vez apresentada por dois narradores: um menino e seu avô recentemente falecido. Os membros da família voltam para enterrar do patriarca que simboliza uma fase diferente na história de Moçambique: Um filho nunca deixou a terra, o outro passou anos como um insurgente durante a guerra civil e o terceiro abraça o capitalismo.

Quando o coveiro coloca a pá na terra, o solo se recusa a movimentar. Somente quando o velho narra sua própria história acaba por cavar o chão. De acordo com Richard Bartlett, a novela conta “uma história de emoção pessoal de proporções nacionais, da geração mais jovem a receber as chaves da casa e descobrir o quanto vazio os quartos se tornam espaçosos e de potencial mágico”. 

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Personalidades
1.538

Função: Programação e SEO Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG) Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *