Tudo Sobre A Mona Lisa

A Mona Lisa é um retrato que traz a metade do comprimento de uma mulher desenhada por Leonardo da Vinci, aclamado como um dos maiores artistas da história do mundo.

A pintura pode ser um retrato de Lisa Gherardini, esposa de Francesco Del Giocondo. Feita com óleo sobre painel de álamo. Historiadores apontam que o trabalho foi encerrado entre 1503 e 1506, adquirido pelo rei Francisco I da França. Na atualidade representa propriedade da República Francesa e está em exposição permanente no Musée Louvre, em Paris.

Quadro com alto teor enigmático, monumentalidade de composição, modelagem de formas sutis, ilusionismo atmosférico e qualidades novas que contribuíram para o fascínio contínuo e estudo da obra até a atualidade. Olhe para o retrato de Mona Lisa. Você consegue saber se ela está feliz ou triste? A incerteza da definição demonstra o alto nível técnico do pintor.

Título do Quadro  

O título da pintura decorre da descrição do historiador de arte Giorgio Vasari, que escreveu: “Leonardo se comprometeu a pintar para Francesco Del Giocondo o retrato da Mona Lisa, sua esposa”. Mona em italiano é uma forma polida de Madonna, semelhante à “senhora”.

O relato de Vasari da Mona Lisa escrito na biografia de Leonardo, publicada em 1550, 31 anos após a morte do artista. A publicação consiste na principal fonte de informações sobre a proveniência do trabalho e identidade da babá.

Tema da Pintura

Ao longo dos anos surgiram visões alternativas entre os estudiosos quanto ao tema da pintura. Alguns argumentaram que Lisa Del Giocondo foi objeto de retrato diferente, apontando outros nomes para a pessoa no quadro, tais como: Isabella de Nápoles, Cecilia Gallerani, Costanza d’Avalos, Duquesa de Francavilla, Isabella d’Este, Isabela Gualanda, entre outras.

Trabalho Conhecido de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci começou a pintar a Mona Lisa em 1503 ou 1504, em Florença, na Itália. De acordo com o contemporâneo de Leonardo, Giorgio Vasari, “depois de ter permanecido em trabalho por quatro anos, deixou inacabado”.

Em 1516, Leonardo foi convidado pelo rei Francisco I a trabalhar no Clos Lucé, perto do castelo real, em Amboise. Acredita-se que ele levou a Mona Lisa com ele e continuou a trabalhar depois de se mudar para a França.

Após a morte a pintura foi herdada ao aluno e assistente. O rei comprou e manteve no Palácio de Fontainebleau, onde permaneceu até Louis XIV, que mudou a pintura para Versalhes. Após a Revolução Francesa foi transferido para o Louvre (claraboia), mas antes passou breve período no quarto de Napoleão, no Palácio das Tulherias.

Durante a Segunda Guerra Mundial a pintura foi outra vez removida, levada com segurança primeiro a Château d’Amboise, em seguida, à Abadia Loc-Dieu e Château de Chambord, então, finalmente, ao Museu Ingres, em Montauban.

Roubo e Vandalismo

O trabalho foi roubado em 21 de agosto 1911. No dia seguinte o pintor Louis Beroud entrou na claraboia (abertura envidraçada) e encontrou como evidência quatro estacas de ferro.

Beroud em contato e o chefe de secção dos guardas pensavam que a pintura estava sendo fotografada para fins de marketing. Algumas horas mais tarde o roubo foi confirmado. A claraboia fechou por uma semana inteira para ajudar na investigação do roubo.

O poeta francês Guillaume Apollinaire ficou sob a suspeita e por consequência ficou preso. Ele tentou envolver o seu amigo Pablo Picasso, que também foi levado em interrogatório, mas ambos foram exonerados.

Na época se acreditou que a obra estava perdida para sempre. Levou dois anos antes de o verdadeiro ladrão ser descoberto. Vincenzo Peruggia havia roubado entrando no prédio durante o horário regular, se escondendo em um armário de vassouras e saindo com ela escondida sob o casaco, depois do museu fechar.

Peruggia era patriota italiano que acreditava que a pintura de Leonardo deveria voltar à Itália para exibição em museu italiano. O homem pode ter sido motivado por um amigo cujas cópias do original subiriam de valor após o roubo da pintura.

Depois de ter mantido a Mona Lisa no apartamento por dois anos, Peruggia ficou impaciente e foi preso quando tentou vender aos diretores da Galeria Uffizi, em Florença, onde ficou em amostra até o final de 1913. Não se pode ignorar o fato de que Peruggia foi saudado por causa do patriotismo na Itália, embora tenha cumprido seis meses de prisão por causa do crime.

Danos na Mona Lisa

Em 1956 a parte inferior da pintura ficou danificada quando um vândalo jogou ácido na pintura. Em 30 de dezembro do mesmo ano, um jovem boliviano chamado Ugo Ungaza Villegas jogou uma pedra no quadro, o que resultou na perda de uma partícula de pigmento próximo do cotovelo esquerdo. O dano depois foi repintado.

Em abril de 1974 uma mulher que estava chateada com a política do museu para pessoas com deficiência lançou spray de tinta vermelha na pintura, enquanto o item estava em exposição no Museu Nacional de Tóquio.  No dia 02 de agosto de 2009 uma mulher russa, perturbada por ter disso negada a cidadania francesa, jogou caneca com chá comprada no museu contra o invólucro de vidro. Em ambos os casos, a pintura foi danificada.

A utilização de vidro à prova de balas protegeu a Mona Lisa de novos ataques que danificassem uma das obras mais conhecidas no mundo em todos os tempos.

Detalhe do Fundo de Mona Lisa

Leonardo utilizou desenho de pirâmide para colocar a mulher no espaço da pintura. As mãos cruzadas formam o canto frontal. Peito, pescoço e rosto brilham na luz dos modelos das mãos.

A luz fornece variedade de superfícies na geometria subjacente de esferas e círculos. Leonardo se refere à fórmula simples para a figura feminina sentada: As imagens de Madonna foram generalizadas na época. Ele modificou as fórmulas convencionais a fim de criar a impressão visual de distância entre símbolo e observador.

De modo marcado a mulher se senta com os braços cruzados, o que também é um sinal de sua postura reservada. O olhar está fixado no observador e parece ter comunicação silenciosa.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Arte
1.538

Função: Programação e SEO Formação: Bacharelando em Ciência da Computação – Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Técnico em Informática Industrial – Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá (CTIG) Interesses:  Internet, Jogos, Esportes e Música

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *